quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Diferenças entre Scaptotrigonas...

Olá a todos, um assunto muito polêmico e complicado é saber as diferenças das abelhas do gênero Scaptotrigona. Pois este generô é muito comum em todo o Brasil onde as espécies se caracterizam por terem um odor caracteristico, serem muito populosas e grandes produtoras de mel, pólen e própolis.

A maioria das pessoas que tem alguma espécie deste gênero não sabe ao certo qual é o nome cientifico e na grande maioria nem mesmo a espécie exata, pois muitas destas espécies são muito parecidas entre si, sendo que algumas só se diferenciam por pequenas listras, manchas, coloração de asas, tórax, abdómen ou pela entrada.

Tudo que vou mostrar aqui e todas as informações vem de muita pesquisa da minha parte, e com a ajuda do mestre João Pedro Cappas, que corrigio pequenas falhas e me ajudou a elaborar as descrições mais exatas.

Alem de que quase todas as Scaptotrigonas se hibridam entre si, assim dificultando ainda mais a identificação da espécie, pois com isso a espécie hibrida fica com a caracteristica das 2 espécies ou até mesmo formando uma 3 espécie, com entrada diferente, cor totalmente nova e etc, virando assim uma "NOVA" espécie!

Abaixo vou falar o nome popular mais famoso e o cientifico das espécies mais comuns e de difícil reconhecimento. Lembrando que estás espécies tem uma pequena variação dependendo do estado em que são encontradas.
.
.
.
BENJOI (S. polysticta)

Nesta espécie as colônias não são muito agressivas como nas outras Scaptotrigonas. A abelha tem asas amaronzadas, abdómen opaco de cor meio prateado (podendo ser 4 listras prateadas, dando ao abdómen uma coloração homogênia). A entrada da espécie é quase sempre inclinada para baixo com circunferencia reduzida e o final da entrada onde as abelhas ficam de guarda é cheio de pequenos furos. Seu enxame é populoso e de fácil multiplicação.


ENTRADA:

A circunferencia da entrada é reduzida, e ficam poucas abelhas na sua extremidade.

Sempre fazem a entrada para baixo... Reparem nos furos no final da entrada.




TUBIBA (S. tubiba)



Uma abelha conhecida pela sua grande produção de mel e pelo sabor autentico (mel da Tubiba do amigo Wilson Gussoni ganhou o prêmio de melhor mel do Brasil de 2010). A abelha tem asas amaronzadas, o abdómen é opaco sem nada de listras e pontos, sua entrada caracteristica pode variar de apenas uma marcação de cera ao redor da entrada ou apenas um pequeno tubo de 1 a 3 cm (depende da região onde ela é nativa). Enxames muito populosos, com boa produção de mel (armazenam pouco pólen).

Distribuição geográfica: Bahia, Rui Grande do Sul, Sergipe, Minas Gerais, Santa Catarina, São Paulo.


ENTRADA:

A tubiba não abre "abas" da entrada como a Mandaguari e a Tubuna.

Circunferencia reduzida, e não fica maior do que uns 3 cm.

Está entrada abaixo é apenas uma marcação com cera aonde as abelhas ficam de guarda.




MANDAGUARI

(S. postica)


Está é a Scaptotrigona mais conhecida popularmente, tem como as outras um forte odor de coco ou queijo gorgonzola (cada um acha uma coisa!). A abelha tem as asas fumadas, seu abdómen tem quase na maioria das vezes 2 listras amarelas ou douradas (podendo haver até 3 listras). A entrada desta espécie é muito diferenciada, sendo que basicamente ela faz um tubo com uma grande abertura no final na borda onde as abelhas ficam (depende da população do enxame o final da entrada é cada vez mais aberto). Está espécie é muito agressiva, se enrola nos pelos dos braços, pernas, axilas, cabelos, e etc. É uma grande produtora de mel e pólen, onde enxames bem fortes e antigos são caracterizados pelo grande acumulo de pólen. Ocupam grandes espaços, preenchendo caixas com medidas de até 30 larg. x 50 compr. x 30 alt.


Distribuição geográfica: Goiás, Rondônia, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, São Paulo.

ENTRADAS:

O tamanho da entrada pode variar muito, podendo ser comprida até mesmo bem curta.

Em enxames muito populosos o numero de abelhas na entrada e sua borda é bem grande.







TUBUNA
(S. bipunctata)




Está espécie tem um odor um pouco diferente da Mandaguari e das outras, é mais forte, com um teor diferente. A abelha é bem negra e brilhante, com as asas bem negras ou fumadas, abdómen negro com 2 pontos pratas em seu final (pode variar de 1 listra prata). Sua entrada é como uma corneta, sempre muito aberta no final, e muitas vezes a entrada é inclinada para cima, tendo muitas abelhas em sua extensão. Boa produtora de mel e pólen.

Distribuição geográfica: Minas Gerais, Rio Grande do Sul, São Paulo, Paraná, Santa Catarina.


ENTRADA:
Abelhas bem negras e reluzentes; muitas abelhas na entrada; e inclinação para cima...

A cor das asas da Tubuna pode variar para fumadas também (como na foto abaixo a esquerda).

Até mesmo os enxames novos ja começam a entrada mais alargada e de forma de trombeta.

Só observando as abelhas na entrada você já sabe que é Tubuna, pela coloração bem negra e reluzente das abelhas.


CONSIDERAÇÕES FINAIS:

Abaixo eu fiz uma foto para ajudar na identificação das espécies, onde eu foquei as asas e o abdómen. Lembrando que muitas vezes devido a hibridação (a espécie tem o genes da outra, mesmo que seja de 2 ou 3 cruza) pode haver pequenas mudanças nestas caracteristicas.

Mas a espécie pura mesmo tem as caracteristicas iguais a estas abaixo.



Agora vem a questão do hibridismo entre as espécies, muitos devem estar se perguntando por que ter varias espécies diferentes de Scaptotrigonas se elas vão ficar híbridas entre si...

Mas na natureza elas são assim, eu já vi locais de mata onde encontrei enxames nativos de Mandaguari e Benjoi perto uns dos outros, e um amigo em MG disse que no sítio dele tem muitas Tubunas e Mandaguaris por perto uns dos outros, e eu recebi dele umas amostras das Tubunas e pude ver que algumas já eram híbridas com as Mandaguaris, tendo o abdómen com 2 listras prateadas, ao invés de 2 pontos.

Eu mesmo possuo aqui em meu meliponário Mandaguari, Tubuna, Tubiba e Mandaguari Amarela, e elas estão totalmente mantendo as caracteristicas originais das espécies, ou seja, basta você colocar os grupos de espécies diferentes um pouco distantes dos outros, cada grupo em um canto do meliponário. Não vai ser certeza de sucesso total mas vai ajudar no momento que a rainha virgem fazer o voo nupcial um macho da mesma espécie que vai estar ali ao lado vai fecundar a mesma.

Espero ter ajudado a todos que ainda tinham duvidas sobre a identificação destas espécies mais comuns, e volto a dizer que todas estas informações são 100% corretas, corrigidas por pesquisas cientificas e grandes mestres da meliponicultura.

Um forte abraço a todos e qualquer duvida é só perguntar!

26 comentários:

  1. Agora sim... Eu acabei de fazer umas modificações!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caros amigos "Abelhudos", neste feriado ganhei um enxame no sul de MG de um amigo, mas ao tentar identificar "deu nó na cabeça", pois segundo o pessoal da roça era uma tubuna, ao tentar identificar verifiquei que elas tem o padrão da benjoi com asas negras da tubuna, como na região não há criaodores e este enxame ele tinha a uns dois anos porque ficou com pena de mata-lo ele levou pra casa e estava a uns dois anos em uma mangueira ainda no tronco.
      Ao conversar com o pessoal para saber se das espécies que eles conheciam verifiquei que apesar de não criar eles conhecem bastante espécies e me disseram que aquela era uma tubuna e que não havia outra espécie parecida na região, disseram haver mais parecida com elas por perto as: Arapuá, Boca de sapo (que também chamam de arapuá), "mandurim" ( uma espécie também preta de abdômen alongado) e "coroado" (uma espécie de solo)
      Perguntei de alguma com asas esfumadas e ninguém nunca viu.
      Sera uma nova espécie?

      Excluir
    2. O problema é que,,,,,,,,,,,o termo TUBUNA, usado pelos ìndios, identificavam todas as scaptotrigonas deste modo,,,,,,,,,,,,agora vamos botando ordem,,,,,,,,,,mas cada região do Brasil, vai ter suas SUB-ESPÉCIES

      Excluir
  2. Caro Tirelli
    Muito bem detalhado, porém tenho outras observações a incluir.
    1 a mandaguari também ocorre em Minas
    2 Na natureza ja encontrei vários enxames de mandaguari e nenhum deles tinha cera fazendo uma entrada caracteristica, elas se espalham pela fenda do oco, pelo furo da entrada, o próximo que achar te mando fotos.
    Parabéns
    Waner Santos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bem verdade, achei um enxame de Mandaguari e elas não possuem nenhum tipo de cera na sua entrada, simplesmente tem um buraco do tamanho de uns 5 mm. As minhas abelhas possuem em seu abdômen 4 a 5 listras amarelas. Valeu

      Excluir
    2. Pode ser que as Mandaguaris que você viu estão esperando a chegada do enxame. Só depois de chegado o enxame e a rainha é que elas constroem o bico de entrada. (Experiencia minha).

      Excluir
  3. Parabéns. Foi uma ótima ajuda aos amantes de Scaptotrigona, gênero tão interessante e confuso.

    EURIDES FURTADO
    DIAMANTINO, MATO GROSSO

    ResponderExcluir
  4. Rivan disse: muito boa suas observações isso nos ajuda nas pesquisas com outras abelhas abraço Rivan fernandes.

    ResponderExcluir
  5. oi meu nome é Johnny o segui dor desse site eu tenho duas colomia de abelha jatai e tem uma cacha qeu já faz quarto mês qeu já tirei ela da outro cacha eu posso abri ela para eu ver como está o enxame e o alimento ???????

    ResponderExcluir
  6. e na onde encontra uma colomia de abelha uruçu amarela e como colocar foto nesse site ?????

    ResponderExcluir
  7. Caro Tirelli, a abelha tubi e mandaguari são a mesma abelha?

    ResponderExcluir
  8. Tirelli, seria interessante que nessa analise comparativa de espécies, fosse incluido a Scaptotrigona xanthotricha, conhecida como mandaguari amarela. Aqui no Mato Grosso temos possivelmente dela e a S. postica, ou mandaguari. Eu mesmo tenho enxames desta que até agora foi identificada por quem me vendeu, como Scaptotrigona postica. Aliás, ela é muito comum no município de Várzea Grande/MT. Abraços. José Luiz - de Cuiabá - MT.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. olá josé luiz, sou de cáceres mt. gostaria de manter contatos com alguem aqui bem próximo de mim, tenho muito interesse em interagir com quem goste do assunto de asf. estou entrando no ramo agora e pra mim é tudo muuito novo, meu email é - jpzocal@hotmail.com
      aqui na minha regiao tem muitas espécies a gente pode estar contactando, se vc quizer
      abraços -junior paulo-

      Excluir
  9. ola felipe, possuo uma colméia ainda no tronco de uma árvore que estava pra ser queimada, uma dessas espécies, pois ela é toda preta, pretinha mesmo, com as asas um pouco maior que o abdomem, mas no abdomem delas é todo preto não tem nem listas nem manchas, nada, é toda preta no dorso tambem não tem nada, e é agressiva, mas não muito razoável, as asas são meio fumaça, mas penso que não é a canudo, segundo as característica que voce postou, pois a entrada dela é muito parecida com a entrada da tubuna....
    falo do mato grosso
    pode me ajudar.......
    abraços.
    meu email-
    jpzocal@hotmail.com

    ResponderExcluir
  10. Amigo Felipe eu encontrei uma colmeia de abelhas, e queria saber ao certo que abelha ela é. Estou começando agora nesta atividade, pois gosto de mexer com abelhas. Bom elas estão em um galho de pequizeiro, no cerrado de MG. É um ninho grande,de forma redonda, elas são muito agressivas, são de coloração bem pretas e brilhantes com as asas pretas fumaçadas e não posuem listras douradas ou prateadas e nem pontos. Gostaria de saber: São Tubunas ou Irapuás? Obrigado! Um abraço
    Eduardo de Corinto-MG
    eduardo.35rs@hotmail.com

    ResponderExcluir
  11. TUBUNA, MANDAGUARI,TEM UMA RAÍNHA OU MAIS PRINCESAS VIRGEM PARA ASSUMIR NA FALTA DA RAÍNHA.?
    COMO TRIGONINI OU MELIPONINI

    ResponderExcluir
  12. A DOMESTICAÇÃO DA IRAPUÁ TEM VALOR ECONÔMICO?

    ResponderExcluir
  13. caro jovem felipe quero paraniza-lo pelo maravilhoso trabalho que vem realizando...sou presidente da ong ambiental Asedema e tambem temos projetos de preservaçao da mandaguaris e jatais. acreditamos que nosso trabalho é de suma importancia a preservação destas, e ao direito as futuras gerações, ao respeito ao meio ambiente, na defesa da natureza na defesa da vida, sobre todas as suas formas..um forte abraço oronço fleury costa

    ResponderExcluir
  14. qual scaptotrigona tem o mel mais saboroso?

    ResponderExcluir
  15. Felipe tirelli ,por que o blog tá parado a tanto tempo??? Deixou de criar as abelhas?

    ResponderExcluir
  16. Eu crio 4 espécies de scaptotrigonas,,,,,,todas tem mel saboroso, depende muito das floradas,,,,,,,,e o principal cuidado é na hora de colher o mel,deve-se ter muito cuidado de não espremer junto c/mel algumas abelhas, isto vai dar um cheiro muito ruim e contaminar o mel, elimina o aroma e sabor natural do mel,,recomendo colher c/sugador tipo ,motor de geladeira ou freezer,,,,quem quiser tirar mais dúvidas, me procure in boxhttps://www.facebook.com/vlademirantoniomikulski
    Um abraço a todos

    ResponderExcluir
  17. Olá boa dia, gostaria de saber qual a diferença entre a abelha tubuna e a abelha arapuá? Pois coloquei uma isca e está atraindo uma abelha preta grande com a semelhança da tubuna ou arapuá.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola, as arapuá tem as corbículas marrão e a tubuna é toda preta e um pouco menor da irapuá

      Excluir
  18. Caro, a tubiba não cruza com as demais,aqui temos as sem canudo alias a foto que aparece no blog e minha, tive um enxame por 10 anos e nunca houve hibridização, a nossa e mais curta fosta e muito agressiva

    ResponderExcluir
  19. Obrigado pelas informações.Graças a elas cosegui identificar as abelhas aqui que que estavam aqui na árvore, pensei quefossem iraí,
    mas são mandaguarí postiça. O fim do abdomem é mais claro.

    ResponderExcluir